Site Meter Três e eu: 01/05/11 - 01/06/11

31 de maio de 2011

Oh, dúvida cruel!

- Thierry, papai e mamãe vão se separar. Com quem vc vai morar: aqui em casa comigo ou com o papai, na casa da vó?
- Hum... aqui!
Eu, já rindo pro marido com cara de "tá vendo?", ele completa:
- Também, né? Lá na vó não tem TVA (tv por assinatura)!...
¬¬

Ainda bem que era brincadeira, mas pelo menos agora eu sei quanto estamos valendo...

26 de maio de 2011

Madame fura-fila - o retorno

Incrível que a história de ontem tenha se repetido novamente hoje, exatamente no mesmo local, exatamente com os mesmos personagens. Dessa vez a madame-mãe (termo legitimamente roubado da Simone), carregando apenas duas das crianças (só uma é dela), se superou: entrou na nossa frente com sua linda cara de bunda, colocou dois pratos numa bandeja, esperou calmamente que a primeira senhora lhe servisse de arroz e feijão, que a segunda senhora lhe servisse de frango e berinjela, pegou o prato da salada, voltou para pegar os talheres, colocou na bandeja e, quando pensávamos que a graciosa pessoa já estava de saída, a madame volta para pegar uma outra bandeja, por cima do meu menino - que já estava com o prato dele na bandeja, pronto pra começar a ser servido - com um ar impaciente de "vocês estão me atrapalhando". Falei em alto e bom som: "Calma, filho! Tem fila, a gente tem que respeitar as pessoas que estão na fila!". Madame fura-fila nem se atreveu a olhar pro lado e, naquele momento, eu já estava pronta pra dar a primeira resposta atravessada que me viesse à cabeça. Coincidência demais esses segundos em que estávamos no mesmo lugar, e eu espero sinceramente que não aconteça de novo. Mentira, tudo mentira. Eu quero sim que aconteça de novo, quero muito. Porque farei questão de dizer que ela VAI TER QUE ESPERAR, já que meu filho e a dela vão pro mesmo lugar, pra entrar no mesmo horário, então temos a mesma pressa. Se ela não faz questão de ensinar pra filha dela que é errado passar na frente das pessoas que estão esperando há 20 minutos, eu faço sim questão de ensinar ao meu que é errado deixar qualquer zé-mané tentar tratá-lo como idiota.

P.S.: Essa "senhora" é a mesma que, ano passado, levantou a mão na reunião de pais e questionou se os livros da biblioteca eram adequados para a idade deles, porque ela e o pai não tiveram coragem de ler um livro de educação sexual que a menina levou pra casa. A biblioteca da escola tem uma parte "exclusiva" para o Fundamental I, que é uma graça: colorida, enfeitada, as estantes são adequadas à altura deles, há mesinhas, "puffs", os livros (adequados à faixa etária) são separados por assunto, há espaço para contação de história E contadora de história profissional, etc. Os livros de educação sexual são bem "realísticos", com ilustrações e  linguagem muito clara. Fiquei um pouco chocada vendo, mas sim, eles são adequados; nós é que talvez ainda não estejamos preparados para dizer a verdade a nossos "bebês". Marido trabalhou alguns meses lá e disse que algumas crianças (principalmente as meninas, que se interessam mais pelo assunto) até sabem de cór quais páginas estão faltando em alguns exemplares, como "a do homem em cima da mulher" ou "a da galinha botando ovo". Pra mim também não é fácil falar sobre o assunto, mas eu sou sincera quando ele (raramente) me pergunta. Mas provavelmente a madame fura-fila ainda conta a história da sementinha ou da cegonha pra filha. E, se a menina não vai aprender em casa nem a respeitar a fila, imaginem onde ela vai aprender sobre sexo.

P.S.2: Thierry, agora à tarde, quando entrei no carro para vir embora:
-Mãe, quem faz as leis?
-Depende... Os vereadores ou os deputados, blablabla...
-Então eu quero ser um desses...
-Mas que lei você quer criar?
-Uma lei pra ter uma fila de criança e outra de adulto no bandejão. Assim ninguém ia entrar na frente dos outros.

Parece que pelo menos ALGUÉM entendeu, né, "dona"?

25 de maio de 2011

Sou mais bonita que você. Posso passar na sua frente?

Eu detesto gente que fura fila. Gente que tem sempre um "motivo" pra passar na frente, uma desculpa pra ter mais pressa que os outros, mais razões para não ficar esperando ou que simplesmente quer mostrar que é mais "esperto". Pode ser no supermercado, no restaurante ou no trânsito. Sabe aquela pessoa que, do lado do caixa rápido do supermercado, te pergunta: "Eu só tenho isso... posso passar na sua frente?"? Então. E obviamente não tô falando de casos específicos como idosos, deficientes, gestantes e pessoas com criança de colo - mesmo  achando que "gravidez não é doença", muitas vezes usufruí do direito de utilizar o caixa preferencial porque acho justo. Tô falando de pessoas normais, saudáveis, crianças de 6 ou 7 anos que passam o dia inteiro correndo e pulando em suas atividades, mas cujas mães acham que uma fila de 20 minutos é "demais pra uma criança".  O fato é que o filho mais velho tem uma bolsa para almoçar e, como é barato, nós comemos junto. As filas são realmente muito grandes, mas andam rápido (hoje, que estava muito longa, demoramos pouco mais de 20 minutos). Eu faço questão de esperar na fila normalmente, mesmo sabendo que alguns amigos dele (da mesma sala, inclusive), que têm a mesma bolsa, sempre foram direto para a catraca para pegar uma outra fila de, no máximo, 2 ou 3 minutos. Eu já achava muito chato, mas hoje a situação me incomodou profundamente - e não só porque essas crianças falam alto, correm, abraçam ou ficam pegando no menino enquanto o coitado está lá tentando equilibrar sua bandeja com um prato cheio de comida e outro de salada. Nós já tínhamos passado quase 20 minutos na fila, a catraca, a outra fila e éramos os próximos a pegar a bandeja. Então, por trás da outra fila, vem uma das mães "empurrando" as 4 crianças e colocando as bandejas no apoio, na nossa frente. Assim, sem "licença", sem cerimônia, sem nada! Porra!!! Mas por que diabos você tem mais pressa que eu, se nossos filhos entram na mesma escola, no mesmo horário? Por que diabos você tem mais pressa que qualquer outra pessoa que está ali e precisa voltar rápido para seu trabalho ou sua aula? Por que diabos o seu filho tem mais motivos que o meu para não ficar em pé na fila? Não, não é porque a "moça" da catraca deixa alguns passarem que eu vou fazer o mesmo! Não, se eu acho que está errado! Já deixei bem claro pro menino que não acho legal e nem justo com as outras dezenas de pessoas que também estão esperando. Parece que ele entendeu o recado, porque também não acha. Naquele momento faltavam exatos 50 minutos pra tocar o sinal da escola. O mesmo sinal que ia tocar pro meu. E, dali até a escola, são cerca de 8 a 9 minutos de caminhada, 12, no máximo, se você for bem calmamente. Marido e eu fazemos o mesmo caminho todos os dias: ele, com o menino, pra ir e voltar do almoço, eu pra encontrá-lo à tarde. E não era o caso de estarem atrasados - até acho que estavam. Mas isso acontece todos os dias! Parece que nunca vai deixar de ser batido, porque é bem verdade que educação, respeito e cidadania começam em casa. Ou na fila do bandejão.

24 de maio de 2011

Compartilhando

Você, querida amiga leitora, já se sentiu velha hoje? Não? Então pense no seu filho, o mais velho, fazendo lição de casa, desenhando objetos que viu no "Museu Histórico" e te perguntando: "Mãe, como é mesmo o nome daquela máquina que a gente vai escrevendo e vai saindo o papel???". Dá pra chorar quando você lembra que fez, nessa geringonça, trabalhos de escola, de faculdade e escreveu até cartinhas pro namorado-agora-marido. Se eu consegui fazer você se sentir tão velha quanto eu me senti, vou dormir feliz - ou você acha que eu não ia querer compartilhar a maldade??? :D

18 de maio de 2011

♥♥♥♥

Na noite de ontem, enquanto a cobertura do bolo esfriava, eu "precisei" ligar o computador pra relatar o que Fabrício havia me dito sobre o bolo quebrado. Fui dormir tarde, cansada, semi-frustrada, com dor e com as unhas recém pintadas, mas fui dormir feliz. Hoje pela manhã, enquanto terminava minha maquiagem (com o bolo no colo não daria pra fazer no carro), marido resolve mostrar o bolo para o aniversariante (que, por ter visto minha frustração e nervosismo na noite anterior, correu dormir quando eu mandei, sem ver o resultado final... rs). Agora você me diz se há rímel que resista a uma criança correndo pela casa em minha direção, trazendo um abraço carinhoso e dizendo com a voz mais doce do mundo: "Ai... 'brigado' pelo bolo, minha mãezinha!...." Olha aí o rímel borrando de novo!!!!! ♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥♥

Amor maior

18 de maio. 08:48h. Há exatamente 4 anos nascia alguém que veio pra fazer meu mundo mais feliz, meu dia mais iluminado, minha vida melhor. Alguém que tem sempre um sorriso sincero, um abraço carinhoso, uma palavra de conforto ou uma "tirada" engraçada. Se eu tivesse tido o poder de escolher cada uma das suas características, não teria saído tão perfeito.  Se eu tivesse o poder das palavras bonitas, perderia horas a fio tentado descrever um pouquinho do meu amor. Mas nem todas as palavras do mundo seriam suficientes para demonstrar a alegria que eu sinto por ter sido escolhida por Deus para receber presente tão especial.

A verdade, Fabrício, é que há exatos 4 anos você torna minha vida mais completa. Muito mais feliz. 


Parabéns, filho, por mais esse aniversário! Que Deus te abençoe e que te devolva em dobro toda a alegria que sempre nos proporciona.

17 de maio de 2011

Nada mais importa...

O bolo pode transbordar e queimar no fundo do forno. Pode rachar e cairem pedaços enquanto é recheado. Eu posso ficar nervosa, com dor e chorar. Tudo isso passa quando um menininho lindo, no último dia dos seus 3 anos, docemente diz: "Não tem problema, mãe! Depois do parabéns vai cortar mesmo..." *-* 

16 de maio de 2011

Aniversário = Presente. Será?

A primeira vez que fiz um aniversário na creche foi o 3º do Thierry, que já estava lá havia pouco mais de 1 ano. No começo, estranhei não precisar mandar convite, lembrancinha, doces, balões ou bebida (porque lá já tem o suco - maluco ou não, hahahaha). Docinhos, pipoca e brinquedos alugados são até bem vindos, mas é muito raro alguém levar. Já o bolo, a vela, o parabéns e a comemoração são sempre incentivados. Àquela altura, eu também já tinha percebido que nunca, em nenhuma hipótese, se mandava presente pro aniversariante. Algum tempo depois também pediram para não fazermos temas. A princípio foi tudo meio estranho, já que eu via outros "padrões" de festa em escolinha, onde se faz uma festa "completa" e o aniversariante ganha presentes. Mas aos poucos fui compreendendo a filosofia da creche - que também não comemora nenhum tipo de festa, como Natal, dia das mães, pais, crianças e muito menos Halloween. As exceções são as festas típicas da cultura nacional (Carnaval e Junina) e a festa de final de ano, em nenhum momento relacionada com o Natal, mas com o encerramento de um ciclo. Hoje, não só aceito e respeito como concordo plenamente com ela. E daí que na hora do almoço eu comentei com o Thierry que, passada a festa do Fafá (já falei que vai ser dia 11/06???), vou começar a me concentrar nas duas dele. Resolvi fazer na escola e não chamar ninguém na festa pra família, porque ano passado achei chato, hoje me arrependo e não teria feito nada daquilo... Quero fazer uma festa mais "caprichadinha", com direito a docinhos e sacolinha surpresa/lembrancinha (na creche não dá porque lá são cerca de 80 crianças, mas na escola é só a sala dele, com 30). Conversa vai, conversa vem, ele comentou que as crianças que fazem festa têm recebido muitos presentes - e bem que eu achava estranho algumas crianças mandarem convite pra uma festa que será realizada num local onde todo mundo estará mesmo. Eu disse que ele provavelmente não ganharia presente, porque fazemos festa para comemorar, para estar com as pessoas de quem gostamos e que gostam de nós, não para ganhar presente. Mas chocada mesmo eu fiquei quando ele contou que um amigo aniversariante, no meio da "festa", perguntou a ele: "Ei, cadê o meu presente???" Ele, coitadinho, disse sem-graçamente que não tinha levado porque a mãe dele não sabia, e eu estava tão atônita que nem ouvi o resto. Eu não acho nada demais que se leve presente, mas é algo com o qual realmente não estou acostumada, muito menos com criança "cobrando" presente. Claro, os presentes são muito bem vindos mas, na falta dele, eu quero que eles não se frustrem ou cometam a indelicadeza do menino acima. O problema agora é que terei que trabalhar melhor esse assunto na cabecinha dele, porque, embora eu acredite que ele já tenha entendido tudo isso, ele é só um crianção de quase 8 anos que provavelmente será o único a não ganhar presente...

15 de maio de 2011

Quase 4

Há alguns dias eu tenho brincado com o Fá, dizendo que ele tem "2 aninhos" e vai fazer 3. Hoje eu estava tomando banho e pedi que ele ficasse comigo no banheiro, porque estava carentinho, teve febre à noite na vó e estava morrendo de medo dos rojões (prefiro não comentar que meu time perdeu um título). Perguntei que dia era o aniversário dele, ele respondeu "1 e 8". Perguntei que número formava "1 e 8" e dei a dica "de....". "De maio!!!".  Eu ri e expliquei que era "de maio" mesmo, mas o dia era dezoito. E continuei enchendo o saco que ele faria 3 aninhos. Ele respondeu que já fez 3 anos. Eu perguntei como era possível ele já ter feito 3 anos se o dia 18 de maio ainda nem tinha chegado. "De 2010, ué?!". Toooma!!!!

Não me pergunte como ele sabe porque, sinceramente, eu não tenho a menor ideia...

Crianças crescidas e a vingança da natureza

Thierry chega do teatro, aonde foi pela primeira vez sozinho com a prima (que tem 20 anos, está no 3º ano da faculdade e trabalha no centro de São Paulo).
- E aí, filho, como foi o passeio com a Carol?
- Foi muito legal! E você não confiava, hein, mãe?
- Ah, não é que eu não confiava... É que quando eu a conheci, ela tinha um pouquinho mais que a sua idade...
- Como assim?
- Quando eu comecei a namorar o papai, ela só tinha 9 anos, pra mim ela ainda é criança, às vezes esqueço que ela cresceu...
- NOVE??? o.O (fica a cargo do leitor imaginar a cara de espanto do menino)

É... a menininha que tinha ciúme da namorada nova do tio agora leva o meu "bebê" ao teatro... E velha é a PQP!!!

A VINGANÇA DA NATUREZA:
Quando eu e marido tínhamos algumas semanas de namoro, costumávamos levá-la em nossos passeios. Em um deles, saindo do Parque Villa-Lobos, ela fala, como quem não quer nada e com cara de criança carente: "Hummm... Que cheirinho de pipoca doce!...." Não lembro nem se nós voltamos pra comprar, mas a história ficou pro resto da vida. Hoje, depois que postei essa mini-história no Facebook e ela comentou, eu disse que deixaria ele sair mais vezes com ela, mas falaria pra ele dizer que estava sentindo "cheirinho de pipoca doce". A resposta dela foi: "Ele fez isso com a pamonha... Na frente do shopping tinha um carrinho aí ele: 'Nossa, que cheirinho de pamonha!'..." Eu ri alto.

14 de maio de 2011

Nasce uma estrela (ou não) - parte 2


Meu "bebê" em 1'39''. No youtube ficou a foto dele na miniatura! :D

"Me falaram que você é o especialista em suco, o cara que  mais entende de suco. É verdade?" "É." kkkkkkk. Beeeem Fabrício!

E não, essa história que "o vídeo engorda 3 ou 4 kg" com ele não cola. Hahaha!

Nasce uma estrela (ou não)

E daí que nós três (porque o Thi "já era") esperamos o Globo Repórter inteiro porque passaria uma matéria filmada na creche. Claro, foi a última - mas a entrevista com a nutricionista Isa, no início, ao ar livre, foi feita lá, num parque delicioso que eles chamam de "quintal". Eu, toda boba pra ver se apareceria ao menos um fiozinho de cabelo do meu filhote, levei o maior susto e quase tive um treco com o Alberto Gaspar entrevistando meu menininho, dizendo que "soube que ele era o especialista em sucos". Nem parecia o Sr. Fabrício, de tão tímido e falando pra dentro que ele estava. Mal conseguiu responder o que o cara perguntou. E aqui em casa também travou. Estávamos tão empolgados falando "olha o fulano! olha a beltrana!", que parece que a ficha dele não caiu que era ele ali, sendo "entrevistado" e dizendo que estava tomando "xuco maluco". Não comentou uma palavra sequer. Mas eu ainda tô toda boba. Não vejo a hora de ver a reprise amanhã e domingo! :D

Quando eu achar o vídeo, coloco aqui.

-> O tal suco maluco existe na creche desde sempre (desde sempre pelo menos que eu tô lá, claro: 2005). Um dos baratos é chegar no salão, olhar aquele nome esquisito e tentar adivinhar do que é. E a D. Ivoni, a que faz o suco maluco, é uma das pessoas mais maravilhosas de lá!

-> Outro dia, na hora do lanche, Fabrício falou pra educadora que estava tomando "ligonada". E ela perguntou do que era feita a ligonada. "De ligon, ué?!" Eu, hein... Você parece que não sei!...

-> O blogger "devolveu" meu post de ontem ("Filho de Salim"). No lugar errado, depois do primeiro de hoje, mas devolveu. Pelo menos...

13 de maio de 2011

Filho de Salim, Salinzinho é.

Eu tinha comentado semana passada que o Thierry tem ficado comigo às terças. Essa semana eu deixei trazer o netbook, mas disse que ele só ligaria depois da lição de casa e da aula. Como a lição foi a jato (um caça-palavras, as lições são sempre nesse estilo "passatempo"), o jeito foi ele "terminar" um jogo que tinha "inventado" na semana passada. O jogo não evoluiu, então ele resolveu "fazer" seu próprio caça-palavras. Escreveu uma pequena frase, colocou palavras em várias posições e preencheu um quadrado com outras letras. A ideia foi super bonitinha e o resultado foi bem legal, salvo o capricho que tá "custoso", como diz minha amiga Andréia. Como eu disse que tinha gostado, ele teve a "genial" ideia de fazer pra vender pros amigos a 50 centavos. Eu ri e falei "tá bom", sem dar muita importância. De noite, o menino me aparece com 2 reais na lancheira... Te cuida, Coquetel!!!

PS.: É ÓBVIO que eu mandei ele devolver o dinheiro. Disse que ele podia fazer para presentear os amigos, mas não pra vender. Expliquei que os amigos estão usando o dinheiro que levam pro lanche sem os pais saberem, e isso não está certo, e "blá blá blá Whiskas Sachê"... Claro, o filho do Salim torceu o nariz. Parece que finalmente encontramos alguma coisa que ele "herdou" do pai.

PS. do PS.: Não é brincadeira não. Meu sogro diz que o avô dele era Mamede, mas o nome se perdeu em algum galho da árvore genealógica. Resultado disso é que todo mundo naquela casa faz algum tipo de coisa pra vender, de caixinhas de artesanato a panos de cozinha, de quadros a chocolate. E marido, tudo o que pega, vende. Só não vende a mãe. Por que ainda não ficamos apertados.

Poder, não pode...


Chegando na creche ontem, não recebo nem um abraço de "oi, mamãe" e ele já vem:
- Mãe, o fulano falou filho da puta! Aquele ali ó, o fulano, ele falou filho da puta!
- Tá bom filho... é feio, né?
- É, mas o fulano falou, ele falou: fi-lho-da-pu-ta!
- Eu sei filho, mas é feio, não pode repetir!
- Mas eu não falei, foi o fulano que falou filho da puta!!!
o.O


PS.: O blogger "comeu" meu post de ontem. Espero que volte logo, porque era curto, mas eu não to a fim de escrever de novo.........

10 de maio de 2011

O Rei da Micagem

Não é novidade pra ninguém que o Fabrício NÃO é o rei da fotogenia. É difícil tirar uma foto onde ele saia tão bonito quanto realmente é. Mas também não é novidade que ele É o rei da micagem. Precisa de um mico de circo? Liga pra ele. E hoje de manhã coloquei toda a minha "inspiração fotógrafa" pra fora na tentativa de tirar uma foto legal pro convite dele. Acontece que ele também acordou inspirado. Daí a "seção de fotos" virou isso:


Agora me diz: como é que uma mãe coloca uma foto dessa COISA no convite??? Hahahaha! Mas é lindo demais, não é? :D

Mentira, eu só tô indecisa entre duas, mas uma delas foi sem careta e não tá aí! ;)

9 de maio de 2011

Helicopteromaníaco

Há alguns meses, um helicóptero Águia (da Polícia Militar) sobrevoava algumas casas próximas ao nosso prédio, bem baixinho, com aquela luz direcional, procurando alguém ou alguma coisa. Ficamos todos na varanda observando e Fabrício não se conformava quando ele foi embora. Queria que eu ligasse pra polícia pedindo pra mandar o "avião águia" de volta pra ele ver. Teria passado fácil a noite inteira ali, olhando. Passou dias falando somente nisso. De vez em quando, ia até a varanda ou a janela pra ver se ele vinha de novo. Depois de algum tempo, se conformou que não chamava avião, e todo helicóptero passou a ser "helecóptero águia" (sic).  Definitivamente, esse tem sido o assunto de maior interesse no mundo pra ele. Ele fica fascinado, procura no céu, vibra quando vê, pergunta, quer saber. No final de semana passado os dois sairam com o pai e a tia. No caminho, um helicóptero da Rede Globo estava pousando e marido parou pra que ele pudesse ver. O menino ficou alucinado, babando. E voltou pra casa falando nisso. Outro dia de manhã, deixou de ver "Noddy no país dos brinquedos" pra ver noticiário onde um Águia levava um ferido para o hospital. Praticamente não piscou. E nós já havíamos decidido que esse seria o presente de aniversário dele. Procuramos alguns na internet e um deles, do Imaginext, tinha um vídeo. Chamei pra ver e tive que colocar várias vezes. Ele só parou porque EU não aguentava mais. Ficou maluco! 

Aí que, na segunda-feira passada eu tinha que comprar um material pro Thi levar na aula de terça. Ficamos muito tempo presos no trânsito e não daria tempo de chegar à papelaria do bairro, então tive que ir à Kalunga do xópin, que era a última opção - e aproveitei pra comer o frango que mais amo no mundo, o do KFC, que ainda sobrou pro almoço e jantar do outro dia. Eu e marido pensamos juntos em já comprar o presente do Fá, até pra não ter que voltar lá depois. E ele foi certeiro e convicto no "helecóptero de resgate" que tinha visto no vídeo e ganhou um outro bem baratinho pra poder levar pra escola. Chegamos tarde e quem disse que o menino conseguia dormir?...

8 de maio de 2011

Dia das mães

Vamos combinar: tem dia melhor no ano que o dia das mães??? Abaixo todos os "é só um dia comercial", ou "dia das mães é todo dia", ou qualquer outro lugar-comum da turma do-contra. Dia das mães é um dia que eu amo, que acordo sabendo que não posso sair do quarto porque fatalmente tem alguém me fazendo um café da manhã na sala ou uma surpresa no quarto. E eu espero, com o maior prazer, só pra ouvir os três "feliz dia das mães" mais deliciosos do mundo!!! Eu já tinha ganho meu presente mês passado, mas o meu filho mais velho, aquele que eu não pari, nunca deixa o dia passar em branco, fazendo um café da manhã delicioso (e acordou às 6h da manhã pra isso, coisa fofa!). Dos meninos, ganhei desenhos, declarações de amor e ajuda na faxina. Foi um dia quase normal, mas ainda assim muito especial, maravilhoso, cheio de amor. E ainda tem gente que tem coragem de não gostar...

PS.: A maior pérola e melhor declaração de amor já tinha vindo no meio da semana. Eu perguntava a eles se eles queriam trocar de mãe, podíamos escolher uma mais rica, ou mais bonita, ou que não brigasse. Por mais que eu oferecesse "vantagens", nada os convencia (ufa!). Até que Thierry soltou a pérola #1: "Mas você já é uma mãe rica... rica de amor pelos filhos!!!" (♥ ounnn! ) E então veio Fabrício com a pérola #2: "-Você é rica, ué?!" "-Mas o que é ser rico?" "-Ah... é... é... é ser gorducho!!!" #EURI

Unha da semana - ou dos 2 primeiros dias dela


E daí que eu fiquei tãooo apaixonada pelo meu esmalte, que resolvi imitar a D. Keylla tirando fotinho e postando. Por baixo, passei o Arranha-céu da Colorama, cinza-mega-escuro que por si só é um sonho pra quem gosta do tipo - que nem é o meu caso! Por cima, o Prata da Impala, que sozinho não fede nem cheira. Cintilantésimo (mas discreto na medida do possível), ficou difícil de tirar uma foto. Sei lá por que eu quis essa cor, já que essa semana comprei dois novos, o Absinto da Colorama e o Maria Cereja da Impala (super-hiper-mega parecido com o Preguicinha da Risqué, só um pouco mais rosado) e nos pés passei o Záz da Impala, lilás clariiiinho, porque não gosto de pé "cheguei". Eu não sou big fan de esmalte puxado pro preto, mas hoje cismei. Acho que não vai durar muito tempo, porque minhas unhas estão escamando muito, mas enfim... Vale o registro! :D

4 de maio de 2011

Momento maldadinha

Quase 7h da noite. Todo mundo chegando em casa morto de fome. Assim que abrimos a porta do elevador, sentimos um cheirinho duzinferno de bolo quentinho. Se tem uma coisa que eu odeio é comida cheirosa de vizinho, ainda mais quando estamos morrendo de fome. Que coisa mais absurda e sem consideração fritar um bife, passar um café ou cozinhar um feijão e deixar que o cheiro passe pela porta!!! Porque, né, é claro que meu bolo, meu bife, meu café ou meu feijão nunca ficam com o mesmo cheiro dos da vizinha... Hoje o problema foi um pouco mais fácil de resolver. Embora hoje seja o último dia do mês (pra mim, o mês começa no dia do pagamento) e a geladeira já esteja vazia, eu tinha todos os ingredientes pra fazer um bolinho tamanho PP - bem pequeno mesmo, porque só tinha 1 colher e meia de margarina. Resolvi pegar uma receita qualquer no meu livro, e nem segui muito à risca. Como eu tinha bastante brigadeiro congelado (preto e branco) que sobrou da Páscoa, resolvi fazer um bolo cavado, que eu nunca tinha feito. Resolvi chamá-lo de "surpresa branca". Porque você não dá nada pra ele por fora, mas por dentro... só posso dizer que valeu por todas as calorias que eu tinha deixado de consumir hoje... Acho que a cara aí de baixo dispensa maiores explicações...


A foto não é posada. Ele tava mesmo com essa cara e eu estava com a máquina ligada pra fotografar SÓ o bolo. Daí saiu essa foto, pelo qual fiquei apaixonada... ♥♥♥♥♥

3 de maio de 2011

Filósofo-mirim

"Já é meio-dia! O tempo passa rápido quando a gente se diverte!" (Thierry) *-*

--> Ás terças, Thierry faz um curso aqui perto do meu trabalho. O curso dura 1h e meia, então ele passa as outras 2 horas comigo, almoçamos e o pai vem buscar. De vez em quando, trago o computador, mas tenho sugerido que ele traga outras coisas e ele tem aceitado bem. Então ele faz a lição e, quando acaba, eu coloco um colchonete no chão, atrás de mim, e ele fica lá deitado brincando de Playmobil ou lendo um gibi. Semana passada presenciei uma cena que achei fofa e fotografei: ele bricando com os bonequinhos, fazendo barulhinhos de "lutinha" e conversas - nunca tinha visto ele brincando assim, só o Fabrício. Hoje, depois que cansou, me pediu um papel pra desenhar, mas resolveu inventar um jogo com letras. Quando se deu conta, já era hora de almoçar, daí soltou essa pérola...

2 de maio de 2011

É maio!!! :D

Enquanto as crianças escovavam os dentes, eu me lembrei que já estamos em maio (que vergonha, só lembrar isso no dia 2, hahaha) e disse pro Fá: "Olha filho, já estamos em maio! Quem faz aniversário em maio???" Ele respondeu que era ele, no chute, claro, e eu confirmei. Ele arregalou dois olhões e disse, entre feliz e surpreso: "É hoje???" Tive que negar, morrendo de pena, mas disse que a professora colocaria o calendário e anotaria. Ele, bravíssimo, colocou as mãos na cintura e disse que não, que a Neime não tinha anotado no calendário. Claro, sexta-feira ainda era o calendário de abril que estava na sala. Só espero que ela tenha trocado hoje, porque o menino está uma fera!!! :)

PS.: Keylla, não vale levantar o dedinho e gritar "EUUUU", hein? hahahaha

PS2: Data da festa e presente já estão definidos. A festa será dia 11/06 mesmo (o condomínio resolveu limpar minha consciência inutilizando o salão que eu quero até o fim do mês, hahaha). Do presente eu falo depois! ;)

It's a long way back

"You're right. You are absolutely right. Cars are not safe for children. Ok, neither are bookcases or squirrels, strong winds, people who sneeze. They're all going to get your baby. But honey you don't feel this was because you were in an accident. You feel this way because you are a parent. It all pass, mostly. Some of that never will." - Dra. Miranda Bailey, "Grey's Anatomy", 7ª temporada, episódio 19.